História

Introdução


     Gostaríamos em primeiro lugar de agradecer aos internautas, que nos dão o privilégio da visitar à nossa página, para esses, que o fazem com espírito de colaboração, resta-nos pedir desculpa pelos lapsos que possam existir, quer na descrição histórica dos acontecimentos, quer na elaboração da mesma.
     No entanto, e relativamente à narração dos factos, podemos alegar em nossa defesa que apenas nos baseamos em relatos feitos por pessoas que, pela sua longevidade, ainda recordam alguns pormenores.
     Não poderia ser de outra forma, pois a falta de sensibilidade de alguns “irresponsáveis” levou a que se destruísse parte do espólio histórico escrito desta Associação.


     Assim, e apesar do nosso amadorismo estaremos sempre aqui em busca dos factos, para que possamos melhorar a nossa página, para que no futuro todos possamos contar a história da nossa Associação. Não nos move nenhum sentimento de protecção de algumas figuras ou factos, pois consideramos que todos são importantes.Assim e porque nos últimos tempos, tivemos acesso a mais informação, que não possuíamos antes, compete-nos proceder a algumas rectificações no texto inicialmente escrito.
     Assim e porque “São os factos e acontecimentos, bons ou maus, que escrevem a história”, por isso não nos compete a nós julga-los, mas apenas narra-los com rigor e imparcialidade…


 


História
da Associação Humanitária
dos
Bombeiros Voluntários de Tabuaço



     Em Fevereiro de 1932, um grupo de Tabuacenses reuniu e constituiu a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Tabuaço, na altura denominada por Corporação dos Bombeiros Voluntários de Tabuaço.
     Na realidade os “Bombeiros Voluntários de Tabuaço” já existiam antes dessa data, conforme se pode verificar pelas inscrições e datas existentes na Bomba Manual existentes desde 1887, no entanto e apesar de prestarem socorro à população, combatendo incêndios, esse grupo de Tabuacenses apenas legalizou a situação em Fevereiro de 1932.
     A legalização da Corporação, dependia de uma aprovação da Comissão Administrativa Municipal, o Presidente da Comissão era o Sr. António Augusto da Silva Barradas, que em 3 de Março de 1932, dirigiu um ofício à Direcção dos Bombeiros, nos seguintes termos:


     “Comunico a V. Exa que a Comissão da minha presidência viu com agrado a constituição da Corporação que se dignaram comunicar em ofício de Fevereiro findo, e a escolha do Exmo Sr. Dr. António Augusto Macedo Malheiro para Comandante da mesma Corporação. Também comunico que ela me encarregou de pôr à disposição de V. Exa todo o material para extinção de incêndios, que está na nossa posse, e de informar que não subscreve desde já, com o subsídio que V.Exas desejam, por não ter para isso verba no orçamento actual, mas inclui-la no primeiro orçamento que organizar.”(texto retirado do copiador geral de correspondência expedida  da Comissão Administrativa Municipal de Tabuaço, entre 1931-1934)


     O material de extinção de incêndios, a que se referia o ofício dirigido à Direcção dos Bombeiros, era sem duvida o Carro de Bomba Manual, que no ano anterior tinha sido alvo de um serviço de manutenção no valor de 35$30 (trinta e cinco escudos e trinta centavos). (conforme consta no Livro de Actas da Comissão Administrativa Municipal de Tabuaço, na pág.7)


     Portanto, a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Tabuaço, ficou formalmente legalizada, e de simultaneamente constituído o Corpo de Bombeiros, em 3 de Março de 1932, sendo o seu primeiro Presidente o Dr. Manuel Moutinho e o seu primeiro Comandante o Dr. António Augusto Macedo Malheiro.
Podemos dizer então que se tornou realidade o sonho daqueles homens que puxavam e arrastavam a força de braços as “viaturas” de então, que retiravam as bombas desses carros quando tinham que entrar em vielas mais apertadas e as transportavam á mão, para ocorrer as situações de incêndios urbanos, para depois também com a força de braços, faziam a bomba funcionar e “bombear” a água até à ponta da agulheta, e dependia da força dos seus braços a força com que a água chegava ao seu destino.


     Desde a sua fundação, foram muitos aqueles que serviram esta causa, e seria difícil nomeá-los todos, sem corrermos o risco de nos esquecermos de algum, assim optamos por não individualizar, com nomes, até conseguirmos de fonte segura uma relação dos nomes que constituíram os fundadores dos Bombeiros de Tabuaço.
     Pouco tempo depois foi adquirida uma bomba mais moderna, e que apesar de também ser transportado num carro puxado com força dos homens, esta já era chamada motobomba, porque a bomba era mecânica e funcionava com motor a gasolina.
Posteriormente outra bomba mais moderna foi adquirida e assim sucessivamente até aos dias de hoje.
     Além dos bombeiros que constituíram desde sempre os corpos activos, existiram também os directores que juntamente com os comandantes e bombeiros, foram construindo a história já longa de 76 anos (oficiais).


     O primeiro Presidente foi o Dr. Manuel Moutinho, que mais tarde ocupou também o cargo de Comandante.
     No cargo de Presidente foi substituído sucessivamente pelo sr. Henrique Teixeira, pelo Professor Acácio Gomes Machado, pelo sr. José Osório, pelo sr. Rui Lemos e actualmente pelo  Dr. António Amaral.
     O cargo de Comandante foi ocupado em primeiro lugar pelo Dr. António Malheiro, sendo sucessivamente substituído pelo Dr. Moutinho, pelo Sr. Joaquim Pinto, pelo sr. José Guerra, pelo sr. Diamantino Fonseca, pelo sr. Virgílio Silva, pelo Sr. Francisco Lopes até ao ano 2002, e desde 2007 pelo Sr. Ernesto Fonseca, entre 2002 e 2007, não houve Comandante oficialmente nomeado, pelo que durante esse período o responsável pelo Corpo de Bombeiros foi o sr. Artur Longa que detinha na altura o posto de 2º comandante.
     A Direcção, é o Órgão executivo, que dirige os destinos da Associação e que é constituído, por vários elementos, onde sem dúvida se destaca o lugar do Presidente, mas que não termina aí.
     Relembramos aqui, os nomes dos Presidentes, no entanto é de inteira justiça que se recorde e se refira que também a importância dos restantes elementos que desde sempre fizeram parte das direcções, casos do Eng. Carlos Balsa, Sr. Alcindo Aleixo, Sr. Diamantino Fonseca, Sr. Francisco Lopes, etc.


     Da mesma forma os Comandantes são sem duvida os elementos que comandam e decidem em cada momento as acções deste Corpo de Bombeiros, no entanto as dificuldades são cada vez maiores que foi necessário criar além do Quadro Activo, o Quadro de Comando.
     No Corpo de Bombeiros de Tabuaço, o primeiro Comandante a escolher elementos para constituir o Quadro de Comando, foi o sr. Francisco Lopes, e a escolha recaiu no sr. Artur Longa, para o lugar de 2º Comandante e  do sr. António Braulio, para o lugar de Adjunto de Comando.
Actualmente o Comandante é o sr. Ernesto Fonseca escolheu para seu Adjunto de Comando o sr. Marcos Fonseca.


     O actual Comando e os actuais Órgãos Sociais, estão em funções desde 2007, e a recuperação, quer económica quer material, é bem visível sem no entanto ser tão rápida como todos desejariam, pois o contexto económico é bastante desfavorável.